Topo
Blog da Georgia Castro

Blog da Georgia Castro

Categorias

Histórico

Como as bactérias do seu intestino podem alterar seu humor

Georgia Castro

01/01/2018 04h24

"Conexão intestino-cérebro"

Você sabia que o nosso sistema digestivo abriga um vasto número de bactérias que estão em um número cerca de 10 vezes maior do que aquele das células que compõem o corpo humano? Essa imensa população de microorganismos forma um ecossistema extremamente complexo e equilibrado, na parte do corpo que representa a sua maior área de contato com o meio exterior, ainda mais extensa do que a nossa pele.

Aprendemos na escola que a principal função do nosso trato gastrointestinal é a digestão e absorção de nutrientes — além de, claro, excretar resíduos. Nos últimos anos, no entanto, reconheceu-se que ele cumpre muitas outras funções essenciais para o nosso bem-estar.

Muitas dessas bactérias moradoras do sistema digestivo são cientificamente conhecidas como probióticas. E, se a sua população tiver um bom tamanho, elas podem contribuir para a nossa saúde. Hoje em dia conseguimos isolar alguns microorganismos probióticos e adicioná-los intencionalmente e de forma controlada aos alimentos.  Além disso, eles também podem ser consumidos como suplementos, na forma de comprimidos ou em pó, o que é conveniente para algumas pessoas.

Na indústria de alimentos, um probiótico tem que cumprir determinados requisitos. Em primeiro lugar, ele deve sobreviver no produto no qual é adicionado por exemplo, iogurtes, leite fermentados, queijos ou sucos. Em geral, não causa qualquer alteração de sabor.  Mas manter-se vivo no alimento não basta. Uma vez que ele é ingerido, precisa resistir a todas as etapas da digestão, passando intacto pela acidez do estômago e não se deixando ser destruído pela bile produzida pelo fígado. Para completar, ao chegar no intestino, deverá ser capaz de exercer a sua função.

Essa ação benéfica deve, ainda, ser comprovada clinicamente. E qual seria?

Posso mencionar algumas. Certos probióticos ajudam no metabolismo de gorduras e na síntese de vitaminas. Outros favorecem o amadurecimento de células do nosso sistema imunológico para promover a proteção contra outros microorganismos que seriam nocivos, causadores de doenças.

Os probióticos e o seu humor

Um trabalho publicado recentemente em uma renomada revista científica, a Annals of General Psychiatry, revela a existência de uma extensa rede de comunicação entre o trato gastrointestinal e sistema nervoso central,  que os cientistas estão chamando de  "eixo do intestino-cérebro".

De fato, diversos distúrbios psiquiátricos e cognitivos parecem ter a ver com mudanças na flora intestinal. O trabalho, no caso, analisou os efeitos dos probióticos nos casos de depressão em seres humanos. A conclusão é de que eles poderiam melhorar alguns sintomas associados às desordens do humor,  aumentando a disponibilidade da serotonina, o neurotransmissor que produz a sensação de bem-estar. Claro que ainda não dá para ninguém sair consumindo alimentos com probióticos esperando resolver ou até mesmo impedir o problema.

Uma associação inusitada, mas que parece fazer todo sentido!

Afinal, quem nunca sofreu com aquele indesejável desconforto intestinal diante de alguma situação fora da zona de conforto que gera medo ou ansiedade? Como uma reunião importante de trabalho ou às vésperas de um evento bastante esperado? Parece mesmo que as doenças da mente e da barriga estão mais próximas umas das outras do que se possa imaginar.

Sobre a autora

Engenheira de alimentos pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, e doutora em nutrição pela Universidade Estadual de Campinas e pelo INRA, na França, Georgia Castro passou mais de 20 anos na área de assuntos científicos e pesquisa aplicada de algumas das maiores indústrias de alimentos do mundo, conhecendo como poucos os bastidores da produção daquilo que chega à nossa mesa. Atualmente, trabalha como coach de saúde e bem-estar.

Sobre o blog

Um espaço para você saber a verdade e compreender a composição dos alimentos embalados, aqueles que compramos no supermercado, nos atacados, nas lojas de conveniências ou que pedimos em cantinas, lanchonetes, bares e outros locais tão presentes na vida cotidiana. Assim, com informação, você será capaz de fazer escolhas de forma mais consciente.